quinta-feira, 16 de junho de 2011

Avatar

Acontece na Europa: o que andam falando do SP Fashion Week

Olá meninas!!! Essa semana pelo que pude ver na mídia voltada para a  moda, não se fala em outra coisa aí no Brasil do que na São Paulo Fashion Week, não  é mesmo?
E aqui fora, não poderia ser diferente. Vejam o que andam falando por aqui...
Des créations du designer Samuel Cirnansck, présentées lors... (Photo: AFP)
Criação do estilista Samuel Cirnansck


Brasil: a indústria da moda eufórica
O São Paulo Fashion Week (SPFW), o lugar do maior encontro de moda da América Latina, se desenrola em uma semana eufórica, mas a indústria brasileira tem um longo caminho a percorrer para cumprir as suas ambições globais.
Concorrência chinesa (peças mais baratas e mais bem feitas),  formação de má qualidade dos alunos, falta de pessoal qualificado, impostos altos e a concorrência entre os  inúmeros aspirantes a estilistas podem levar a indústria para baixo, de acordo com os estilistas.
Aparentemente, no entanto, a SPFW que começou na segunda-feira, é uma oportunidade para o Brasil mostrar a sua confiança de economia emergente, glamourosa e próspera.
Várias modelos internacionais  participam dos desfiles de moda, apesar da ausência  incomum da celebridade mais famosa do Brasil, Gisele Bundchen, a modelo mais bem paga do mundo.
Todos os olhos estão super colados em uma celebridade masculina na passarela: Ashton Kutcher, 33 anos , um ex-modelo que virou ator americano que assumirá o papel-título na série "Uncle Charlie" ("Year Two and Half Men")  após o retorno do imprevisível, mas memorável, o ator Charlie Sheen.
Ashton Kutcher e as belezas do Brasil desfilando em seus biquinis asseguram a SPFW  uma cobertura forte da mídia.
No entanto, como o evento sopra as 15 velinhas e  celebra seus quinze anos, fica ainda um sentimento que o Brasil ainda está atrasado em comparação com os desfiles de Paris, Milão, Londres ou Nova York.
"A industria têxtil nacional deve evoluir. Para ser mais competitivo, precisamos de melhores materiais e tecnologia mais avançada ", disse um dos criadores, Reinaldo Lourenço, ao jornal Folha de São Paulo.
Lorenzo Merlino, estilista que não participa mais do SPFW, acrescentou, "não podemos segurar uma vela para a China, que vende produtos sofisticados a preços ridículos. Não estamos perto de ter essa vantagem."
"Todo mundo quer ser um estilista, mas não há espaço para todos", lamentou Alexandre Herchcovitch, no qual apresentou sua última coleção para mulheres terça-feira. Ele também ressaltou que o Brasil era "pouco qualificado em costura e moda."
Apesar de todas as críticas, os organizadores do SPFW têm enfatizado que não havia grande entusiasmo para a moda no Brasil, particularmente devido ao apetite insaciável por luxo que parece crescer na maior economia da América Latina .
De fato, muitos consumidores estão se voltando para as marcas de luxo européias e americanas, apesar de o imposto ser 100% aplicado aos produtos importados.
Muitas empresas estão se beneficiando do  forte alta no crescimento do consumo, devido ao crescimento da classe média no país.
"Há vinte ou trinta anos, quando se falava de moda, era definitivamente uma loucura imaginar que estaria onde estamos hoje", disse o organizador da SPFW, Paulo Borges. "Nós sempre achamos que seria necessário um longo tempo."
Mas esse otimismo pode ser atenuado por uma notícia preocupante: com um crescimento mais lento e o retorno da inflação (6,5%) as vendas no varejo caíram em abril pela primeira vez desde a crise financeira.
Se esta tendência continuar, a indústria da moda pode ser a primeira a sofrer.

E vocês meninas? O que estão achando do maior encontro de moda da América Latina: o SPFW? Estão acompanhando os desfiles ou preferem ficar à parte desse mundo da moda? 


Bisou Gros bisous e até a próxima meninas!!!

Luciana
Bazar das Lulitas ♥

3 comentários:

Coisas de dondoca disse...

Infelizmente a indústria de moda brasileira ainda é vista por países emergentes de forma pejorativa,pelo que se vê na reportagem. Mas, apesar da concorrência desleal com a China, que tem poder para comprar algodão (cujo preço é realmente caro para o nosso mercado), e vender seus produtos por preços mais acessíveis, a moda brasileira conta com um tempero que poucos possuem: a criatividade. Eu amo as boas grifes brasileiras e acho que as mesmas não deixam a desejar ante ao mercado das grifes famosas. Leia-se Iódice , que tem loja de segmento de luxo que bomba em NY, a Dior que tem estilista brasileiro, entre tantos outros talentos que despontam pelo mundo. Bjkas !

Vendo Minha Mãe disse...

Eu ainda não consegui acompanhar NADA!
Acho que só no site da GNT agora...

PinaGata brechó disse...

Gloria Kalil há muito tempo definiu a situação, impossível não citá-la: "A moda brilha, mas não vende. Ou melhor, vende muito menos do que se imagina pelo ruído que provoca."
O talento de nossos estilistas é reconhecido internacionalmente, as marcas brasileiras são exportadas para diversos países, o que falta então? Talvez reduzir a carga tributária ajude a alavancar o crescimento...

Postar um comentário

Dicas: Procurem comentar quando estiverem logadas. Lembrando que as top comentaristas do mes terao seus banners divulgados no blog.

Related Posts with Thumbnails

Minha lista de blogs